Energia Elétrica e Telecomunicações – STF Retoma Importante Julgamento sobre a Essencialidade e o ICMS

A tese trata da inconstitucionalidade da previsão de alíquota de 25% e 30% de ICMS sobre as faturas de serviços de telecomunicação e energia elétrica, buscando assim o reconhecimento do direito à aplicação da alíquota usualmente praticada, bem como à restituição dos valores indevidamente recolhidos nos últimos 05 (cinco) anos.


Muito embora seja possível ao Estado a instituição de alíquotas diferenciadas de ICMS, o Princípio da Seletividade e da Essencialidade proíbe a incidência de alíquotas exorbitantes em mercadorias e serviços essenciais. Significa dizer que quanto maior a importância do produto para o dia a dia, menor deve ser a alíquota de ICMS aplicada.


No caso da energia elétrica e dos serviços de telecomunicações, por se tratar de mercadoria e serviços absolutamente essenciais, mostra-se inconstitucional a aplicação das alíquotas de 25% e 30% de ICMS, previstas não apenas pelo Estado do Rio Grande do Sul, mas em outros Estados, já que muito superior àquela aplicada a outros produtos essenciais ou pela alíquota considerada geral aos produtos ou serviços. A mesma alíquota de 25% e 30% prevista para a energia elétrica e telecomunicações é aplicada para mercadorias como armas, munições e cigarros, o que revela a flagrante distorção legislativa. 


Nesse sentido, o Plenário do STF reiniciou o julgamento deste caso, no Tema 745 da repercussão geral, onde o Relator, Ministro Marco Aurélio, proferiu voto reconhecendo o direito do contribuinte ao recolhimento do ICMS incidente sobre a energia elétrica e serviços de telecomunicação com a alíquota geral de 17%, posicionamento que foi acompanhado pelo Ministro Dias Toffoli e pela Ministra Carmen Lúcia.


No entanto, reconhecendo a seletividade da alíquota do ICMS apenas sobre os serviços de telecomunicação, o Ministro Alexandre de Moraes discorda do voto relator apenas quanto a energia elétrica. Houve pedido de vista pelo Ministro Gilmar Mendes, no dia 18.06.2021.


Desta forma, com 3 votos favoráveis acerca da aplicação da alíquota reduzida de ICMS nas faturas de energia elétrica, e 4 votos favorável nas telecomunicações, o cenário na Corte Suprema segue muito favorável ao contribuinte, e, considerando que já havia decisão sua anterior sobre a matéria, quando julgou inconstitucional a Lei do Estado do Rio de Janeiro que instituía a alíquota de 25% sobre os serviços de energia elétrica, por violação aos Princípios da Essencialidade e Seletividade, no processo AgRRE 634.457, Rel. Min. RICARDO LEWANDOWSKI, julgado em 05/08/2014, o desfecho provavelmente será vitorioso em favor do contribuinte.


Importante o destaque de que há pedido de modulação de efeitos da decisão do STF, sendo muito importante ajuizar a competente ação judicial antes de finalizado o julgamento.


Baseadas nesses importantes aspectos, as Empresas têm buscado no judiciário o reconhecimento do direito à aplicação das alíquotas de ICMS usualmente praticadas (17%), bem como a restituição dos valores indevidamente recolhida no período de 05 (cinco) anos, sobretudo, no atual momento pelo julgamento no STF.

Picture of Editoria MSH

Editoria MSH

Compartilhe este post
LinkedIn
Facebook
WhatsApp

Assine nossa newsletter

Rolar para cima